Página Inicial » Ensino Superior » Simulado Museólogo – Questões Objetivas

Simulado Museólogo – Questões Objetivas

A Museologia estuda, identifica, restaura e classifica peças de valor histórico e cultural. O Museólogo é o responsável por este trabalho de documentar, pesquisar e conservar o acervo. A área de atuação do museólogo também se concentra na organização de intercâmbios de peças e exposições de arte, planejamento e da programação de museus, sempre com objetivo voltado para o público alvo que se desejar atingir.
Veja e responda o simulado com questões tiradas de provas de Concursos.

Questão 1

De acordo com a lei 11.904/2009, o Estatuto dos Museus, “Os museus deverão formular, aprovar ou, quando cabível, propor, para aprovação da entidade de que dependa, uma política de aquisições e descartes de bens culturais, atualizada periodicamente”.
A política de aquisições e descartes tem como finalidade




Questão 2

Considerando a definição de museu estabelecida no artigo 1º da Lei 11.904/2009 (o Estatuto dos Museus), o IBRAM definiu, através da Resolução Normativa nº 1, de 14 de dezembro de 2016, “os procedimentos e critérios específicos relativos ao Registro de Museus junto ao IBRAM e demais órgãos públicos competentes”.
De acordo com essa Resolução, os museus a serem registrados deverão

I. estar a serviço da sociedade e seu desenvolvimento.
II. ser instituição de caráter permanente.
III. preservar bens naturais e culturais, de natureza material ou imaterial.
IV. estimular a produção do conhecimento, seja de maneira formal ou não formal.
V. trabalhar de forma regular com bens culturais musealizados.
VI. possuir exposição ou comunicar seus bens culturais musealizados.
VII. ser instituição aberta ao público.
VIII. não comercializar bens culturais musealizados.
IX. não se caracterizar como processo museológico.
X. não se caracterizar como unidade de conservação da natureza.
XI. não se caracterizar como museu virtual.

Estão CORRETAS as afirmações




Questão 3

No Brasil, a profissão de museólogo foi criada pela Lei 7.287, de 18 de dezembro de 1984 e regulamentada pelo Decreto 91.775, de 15 de outubro de 1985.
De acordo com o disposto nessa legislação, o exercício da profissão de museólogo é privativo:

I. dos diplomados em Bacharelado ou Licenciatura Plena em Museologia e dos diplomados em Mestrado e Doutorado em Museologia, desde que realizados em cursos ou escolas devidamente reconhecidos pelo Ministério da Educação e Cultura.
II. dos diplomados em Bacharelado em Museologia e dos diplomados em Mestrado e Doutorado em Museologia, desde que realizados em cursos ou escolas devidamente reconhecidos pelo Ministério da Educação e Cultura.
III. dos diplomados em Bacharelado em Museologia e dos diplomados em Mestrado e Doutorado em Museologia por escolas estrangeiras, desde que reconhecidas pelas leis do país de origem.
IV. dos diplomados em Museologia por escolas estrangeiras reconhecidas pelas leis do país de origem, cujos títulos tenham sido revalidados no Brasil, na forma da legislação.
V. dos diplomados em outros cursos de nível superior que, na data de vigência da Lei 7.287, de 18 de dezembro de 1984, contassem com, pelo menos, 5 (cinco) anos de exercício de atividades técnicas de Museologia, devidamente comprovados. Essa comprovação deve ter sido feita no prazo de 3 (três) anos a contar da vigência da Lei 7.287, de 18 de dezembro de 1984, perante os Conselhos Regionais de Museologia, aos quais competiu decidir sobre a sua validade.
VI. dos diplomados em outros cursos de nível superior que, a partir da data de vigência da Lei 7.287, de 18 de dezembro de 1984, contêm, pelo menos, 5 (cinco) anos de exercício de atividades técnicas de Museologia, devidamente comprovados. Essa comprovação deverá ser feita perante os Conselhos Regionais de Museologia, aos quais compete decidir sobre a sua validade.

Estão CORRETOS os itens




Questão 4

Segundo o Comitê Internacional de Documentação (CIDOC) do Conselho Internacional de Museus (ICOM), o “Object ID é uma norma internacional para descrição de objetos culturais, resultado de pesquisas feitas em colaboração com a comunidade museológica, a UNESCO, a polícia internacional – incluindo o FBI, a Scotland Yard e a Interpol –, agências aduaneiras, o comércio de arte, a indústria de seguros e avaliadores de arte e antiguidades. O uso dessa norma ajuda a combater a apropriação ilegal de objetos de arte, facilitando a documentação dos bens culturais e reunindo organizações ao redor do mundo que podem incentivar a sua implementação”.
Acerca do Object ID, analise as afirmativas abaixo:

I. O Object ID é a norma mais completa para documentação em museus e deve ser adotada como norma base para a elaboração de inventários de bens culturais materiais.
II. O Object ID é a norma que sistematiza as informações mínimas para a descrição e a identificação de um bem cultural material, por isso é universalmente recomendada pelo ICOM para o combate ao tráfico ilícito de bens culturais.
III. O Object ID é a norma reconhecida internacionalmente pelas polícias internacionais e, por esse motivo, deve ser adotada como única norma para a documentação em museus.
IV. A lista de controle da norma Object ID é composta pelas seguintes orientações: Tire fotografias, Responda estas questões (Número do objeto, Local no prédio, Outras Numerações, Classificação, Tipo do objeto, Materiais e técnicas, Medidas, Inscrições e marcas, Características particulares, Título, Assunto ou tema, Data ou período, Autor ou fabricante, Observações), Escreva uma breve descrição, Proteja as informações.
V. A lista de controle da norma Object ID é composta pelas seguintes orientações: Tire fotografias, Responda estas questões (Tipo do objeto, Materiais e técnicas, Medidas, Inscrições e marcas, Características particulares, Título, Assunto ou tema, Data ou período, Autor ou fabricante), Escreva uma breve descrição, Proteja as informações. VI. O Object ID é reconhecido pelo ICOM e pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) como norma de controle que comprova a propriedade dos bens culturais materiais pelos museus brasileiros, de acordo com o disposto na Lei 11904/2009, o Estatuto dos Museus.

Está CORRETO, apenas, o que se afirma em




Questão 5

O Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) foi criado pela Lei nº 11.906/2009, com a função de

I. promover e assegurar a implementação de políticas públicas para o setor museológico, com vistas a contribuir para organização, gestão e desenvolvimento de instituições museológicas e seus acervos.
II. incentivar programas e ações que viabilizem a preservação, a promoção e a sustentabilidade do patrimônio museológico brasileiro.
III. promover o estudo, a preservação, a valorização e a divulgação do patrimônio cultural sob a guarda das instituições museológicas, como fundamento de memória e identidade social, fonte de investigação científica e de fruição estética e simbólica.
IV. promover a manutenção de atividades de requalificação e divulgação de museus com representatividade nacional, sejam eles de caráter nacional, regional ou local, a partir de programas de fomento às fontes da cultura nacional.
V. promover a formação de mão de obra especializada para o trabalho em museus e instituições culturais, sendo responsável pelo reconhecimento profissional dos museólogos e demais profissionais de museus.
VI. desenvolver processos de comunicação, educação e ação cultural, relativos ao patrimônio cultural sob a guarda das instituições museológicas para o reconhecimento dos diferentes processos identitários, sejam eles de caráter nacional, regional ou local, e o respeito à diferença e à diversidade cultural do povo brasileiro; e
VII. garantir os direitos das comunidades organizadas de opinar sobre os processos de identificação e definição do patrimônio a ser musealizado.

Estão CORRETOS as afirmações




Questão 6

Os indicadores básicos de controle ambiental para a conservação de bens culturais materiais são temperatura, humidade relativa do ar, luz e qualidade do ar.
Sobre a luz e a qualidade do ar, analise as afirmativas abaixo:

I. Nem todos os comprimentos de onda causam deterioração; apenas a radiação ultravioleta (UV) causa danos para os objetos. Por esse motivo, deve-se evitar o uso de lâmpadas fluorescentes e a incidência da luz solar direta nas reservas técnicas dos museus.
II. A luz atua como catalisadora da oxidação; desse modo, qualquer exposição dos objetos à luz é, em princípio, prejudicial à conservação e causa danos irreversíveis.
III. A qualidade do ar influencia diretamente na velocidade das reações químicas que causam deterioração dos materiais. Os poluentes gasosos mais comuns, presentes nas grandes cidades, induzem à formação de ácidos nos materiais.
IV. Também há poluentes em forma de partículas, que também causam problemas de acidificação, além de sujarem, arranharem e desfigurarem os materiais.
V. Apesar de ser uma providência de difícil consecução, é importante vedar completamente os espaços físicos das reservas técnicas, bem como as vitrines das exposições, a fim de evitar a degradação causada pela luz e, principalmente, pela má qualidade do ar.
VI. A alocação de reservas técnicas e áreas expositivas em uma edificação deve considerar sua localização em relação às possíveis fontes de poluentes e circulação de ar e entrada de luz natural, atentando-se, também, para as variações climáticas sazonais.

Assinale a alternativa CORRETA.




Questão 7

A museóloga Tereza Scheiner se utilizou de aportes da Filosofia para explicar o conceito de museu como fenômeno e fez algumas afirmações.
Sobre estas, analise as afirmativas abaixo:

I. O museu pode ser considerado um arquiconceito, tratando-se de uma instância simbólica que pode assumir diferentes formas, de acordo com a perspectiva de mundo dos diferentes grupos sociais no tempo e no espaço.
II. O tipo de museu existente em cada sociedade varia de acordo com o conceito de “real” que os seus criadores concebem. Assim, a percepção do real é um dos fundamentos ontológicos da museologia.
III. A dimensão fenomênica do museu, através do estudo de suas relações com o Real, é o objeto de estudo da museologia.
IV. Pode-se admitir uma forma específica de relação entre indivíduo e objeto, característica dos museus, se colocarmos o foco não no objeto e nem apenas no museu, mas, na relação entre ambos, tal como pensado por Stránský.
V. O objeto existente fora do homem pode ser compreendido como uma instância simbólica, que, ao lado da escrita, passa a ser um registro documental do real.
VI. A dimensão fenomênica do museu e a busca da compreensão de suas relações com o Real aproximam a Museologia da Filosofia e não, das Ciências.

Estão CORRETAS




Questão 8

O conceito de referência cultural, tal como formulado por Cecília Londres Fonseca, passa a vigorar como norteador das práticas de patrimonialização no Brasil, em uma progressiva ampliação e democratização dos bens reconhecidos como patrimônio pelo Estado brasileiro, que passa a atribuir valor cultural, também aos bens imateriais.
Sobre a relação entre o conceito de referência cultural e o patrimônio imaterial, é CORRETO afirmar que o conceito de referência cultural




Questão 9

Acerca dos conceitos de musealização e musealia propostos por François Mairesse e André Desvallées, baseados em Stránský, é CORRETO afirmar que




Questão 10

Sobre os tesauros aplicados à documentação em museus, analise as afirmativas abaixo:

I. São linguagens documentárias específicas associadas a um domínio específico do conhecimento.
II. Utilizam-se da linguagem natural para organizar/indexar os termos.
III. Os termos apresentados em um tesauro são unívocos e possuem relações entre si; essas relações podem ser de hierarquia e todo-parte.
IV. Apresentam termos preferidos e não preferidos, os quais podem ser termos não autorizados ou equivalentes, sinônimos ou quase sinônimos dos preferidos.
V. O Tesauro de Objetos do Patrimônio Cultural nos Museus Brasileiros (2016), coordenado tecnicamente por Helena Dodd Ferrez, produzido no contexto nacional e consiste em uma revisão e ampliação do Thesaurus para Acervos Museológicos (1987), de autoria de Maria Helena S. Bianchini e Helena Dodd Ferrez.
VI. O Tesauro de Objetos do Patrimônio Cultural nos Museus Brasileiros (2016) é regulamentado pelo Inventário Nacional dos Bens Culturais Musealizados - INBCM, instituído pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), através da Instrução Normativa nº 2, de 29 de agosto de 2014, em consonância com o Decreto nº 8.124, de 17 de outubro de 2013 e com a Resolução Normativa nº 1, de 31 de julho de 2014.

Estão CORRETAS apenas




Tempo de simulado:

Comentar Simulado