Simulado Museólogo – Questões Objetivas

A Museologia estuda, identifica, restaura e classifica peças de valor histórico e cultural. O Museólogo é o responsável por este trabalho de documentar, pesquisar e conservar o acervo. A área de atuação do museólogo também se concentra na organização de intercâmbios de peças e exposições de arte, planejamento e da programação de museus, sempre com objetivo voltado para o público alvo que se desejar atingir.
Veja e responda o simulado com questões tiradas de provas de Concursos.

Questão 1

Acerca da Educação Museal, tal como está proposta no Caderno da Política Nacional de Educação Museal, editado pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), analise as afirmativas abaixo:

I. Tem como foco os sujeitos que interagem com os museus e não as peças do acervo da instituição.
II. Engloba não apenas o visitante mas os profissionais de museus e a própria experiência da visita ao museu.
III. Visa, em última instância, à formação crítica e integral dos indivíduos bem como sua emancipação e atuação consciente com o objetivo de transformar a sociedade
IV. Visa ampliar os públicos dos museus através da alfabetização criativa, que envolve o ensino não formal.
V. Difere das ações de comunicação e mediação cultural tradicionais, posto que é teórica e metodologicamente embasada nos pressupostos da interatividade proporcionada pelas novas tecnologias para os museus e seus públicos.
VI. Baseia-se no princípio da acessibilidade emocional, que deve considerar não apenas as barreiras de acesso físico mas também aspectos emocionais, afetivos e intelectuais de seus usuários.

Estão CORRETAS apenas




Questão 2

Os indicadores básicos de controle ambiental para a conservação de bens culturais materiais são temperatura, humidade relativa do ar, luz e qualidade do ar.
Sobre a luz e a qualidade do ar, analise as afirmativas abaixo:

I. Nem todos os comprimentos de onda causam deterioração; apenas a radiação ultravioleta (UV) causa danos para os objetos. Por esse motivo, deve-se evitar o uso de lâmpadas fluorescentes e a incidência da luz solar direta nas reservas técnicas dos museus.
II. A luz atua como catalisadora da oxidação; desse modo, qualquer exposição dos objetos à luz é, em princípio, prejudicial à conservação e causa danos irreversíveis.
III. A qualidade do ar influencia diretamente na velocidade das reações químicas que causam deterioração dos materiais. Os poluentes gasosos mais comuns, presentes nas grandes cidades, induzem à formação de ácidos nos materiais.
IV. Também há poluentes em forma de partículas, que também causam problemas de acidificação, além de sujarem, arranharem e desfigurarem os materiais.
V. Apesar de ser uma providência de difícil consecução, é importante vedar completamente os espaços físicos das reservas técnicas, bem como as vitrines das exposições, a fim de evitar a degradação causada pela luz e, principalmente, pela má qualidade do ar.
VI. A alocação de reservas técnicas e áreas expositivas em uma edificação deve considerar sua localização em relação às possíveis fontes de poluentes e circulação de ar e entrada de luz natural, atentando-se, também, para as variações climáticas sazonais.

Assinale a alternativa CORRETA.




Questão 3

A museóloga Tereza Scheiner se utilizou de aportes da Filosofia para explicar o conceito de museu como fenômeno e fez algumas afirmações.
Sobre estas, analise as afirmativas abaixo:

I. O museu pode ser considerado um arquiconceito, tratando-se de uma instância simbólica que pode assumir diferentes formas, de acordo com a perspectiva de mundo dos diferentes grupos sociais no tempo e no espaço.
II. O tipo de museu existente em cada sociedade varia de acordo com o conceito de “real” que os seus criadores concebem. Assim, a percepção do real é um dos fundamentos ontológicos da museologia.
III. A dimensão fenomênica do museu, através do estudo de suas relações com o Real, é o objeto de estudo da museologia.
IV. Pode-se admitir uma forma específica de relação entre indivíduo e objeto, característica dos museus, se colocarmos o foco não no objeto e nem apenas no museu, mas, na relação entre ambos, tal como pensado por Stránský.
V. O objeto existente fora do homem pode ser compreendido como uma instância simbólica, que, ao lado da escrita, passa a ser um registro documental do real.
VI. A dimensão fenomênica do museu e a busca da compreensão de suas relações com o Real aproximam a Museologia da Filosofia e não, das Ciências.

Estão CORRETAS




Questão 4

A relação das exposições com os objetos é perpassada por um conjunto de referenciais teóricos, que estão relacionados não apenas com o conteúdo a ser transmitido na exposição mas também com os conceitos de museu e de museologia, que orientam as práticas institucionais. Nesse sentido, Ángela García Blanco propõe uma classificação para as exposições, de acordo com o estatuto epistemológico do objeto: Museologia do objeto versus Museologia da ideia.
Sobre essa classificação, analise as afirmativas abaixo:

I. Para a exposição do tipo “Museologia do objeto”, selecionam-se as peças em função de suas qualidades individuais ou por sua inserção e representatividade em um grupo taxonômico, favorecendo sua contemplação.
II. Para a exposição do tipo “Museologia da ideia”, selecionam-se as peças em função de suas qualidades individuais ou por sua inserção e representatividade em um grupo taxonômico, favorecendo sua contemplação.
III. A exposição do tipo “Museologia do objeto” não exclui os objetos, porém os utiliza para desenvolver, com eles, um conceito, a fim de contar alguma coisa em relação com que os objetos são relevantes.
IV. A exposição do tipo “Museologia da ideia” não exclui os objetos, porém os utiliza para desenvolver, com eles, um conceito, a fim de contar alguma coisa em relação com que os objetos são relevantes
V. A exposição do tipo “Museologia do objeto” utiliza objetos contextualizados que são geradores de conhecimentos, descobrimentos e problemas que se querem transmitir, os quais são explicitados para o público.
VI. A exposição do tipo “Museologia da ideia” utiliza objetos contextualizados, que são geradores de conhecimentos, descobrimentos e problemas que se querem transmitir, os quais são explicitados para o público.

Estão INCORRETAS




Questão 5

Os indicadores básicos de controle ambiental para conservação de bens culturais materiais são: temperatura, humidade relativa do ar, luz e qualidade do ar.
Sobre a temperatura e a umidade relativa do ar, analise as afirmativas abaixo:

I. As altas temperaturas e os altos níveis de umidade são danosos tanto para a conservação física de materiais mais higroscópicos, como a madeira, e menos higroscópicos, como o metal.
II. A grande variação de temperatura e umidade, causada, por exemplo, por equipamentos de ar-condicionado que são ligados e desligados ao longo do dia, pode ser mais danosa para os materiais higroscópicos do que a manutenção constante de altos índices de temperatura e umidade.
III. As autoridades não estabelecem um valor normativo fixo e exato para os níveis de temperatura e umidade do ar adequados para as reservas técnicas, visto que esses devem ser estabelecidos de acordo com o tipo de material armazenado e as condições institucionais de cada museu, devendo-se evitar as variações extremas.
IV. Uma recomendação frequente é a manutenção constante de temperaturas de 21ºC ou menos e índices de umidade constantes em algum valor entre 30% e 50%.
V. Os níveis de temperatura e umidade recomendados para reservas técnicas não visitáveis são inferiores àqueles recomendados para áreas de exposição e de administração.
VI. Os altos índices de temperatura aceleram sensivelmente os índices de deterioração. Estima-se que, a cada aumento de 10ºC, se dobra a velocidade da maioria das reações químicas que causam a deterioração.

Assinale a alternativa CORRETA.




Questão 6

A autora Waldisa Rússio Guarnieri, dialogando com a Sociologia, estabeleceu o conceito de “fato museal”.
Sobre ele, é INCORRETO afirmar que




Questão 7

O conceito de referência cultural, tal como formulado por Cecília Londres Fonseca, passa a vigorar como norteador das práticas de patrimonialização no Brasil, em uma progressiva ampliação e democratização dos bens reconhecidos como patrimônio pelo Estado brasileiro, que passa a atribuir valor cultural, também aos bens imateriais.
Sobre a relação entre o conceito de referência cultural e o patrimônio imaterial, é CORRETO afirmar que o conceito de referência cultural




Questão 8

Segundo o Comitê Internacional de Documentação (CIDOC) do Conselho Internacional de Museus (ICOM), o “Object ID é uma norma internacional para descrição de objetos culturais, resultado de pesquisas feitas em colaboração com a comunidade museológica, a UNESCO, a polícia internacional – incluindo o FBI, a Scotland Yard e a Interpol –, agências aduaneiras, o comércio de arte, a indústria de seguros e avaliadores de arte e antiguidades. O uso dessa norma ajuda a combater a apropriação ilegal de objetos de arte, facilitando a documentação dos bens culturais e reunindo organizações ao redor do mundo que podem incentivar a sua implementação”.
Acerca do Object ID, analise as afirmativas abaixo:

I. O Object ID é a norma mais completa para documentação em museus e deve ser adotada como norma base para a elaboração de inventários de bens culturais materiais.
II. O Object ID é a norma que sistematiza as informações mínimas para a descrição e a identificação de um bem cultural material, por isso é universalmente recomendada pelo ICOM para o combate ao tráfico ilícito de bens culturais.
III. O Object ID é a norma reconhecida internacionalmente pelas polícias internacionais e, por esse motivo, deve ser adotada como única norma para a documentação em museus.
IV. A lista de controle da norma Object ID é composta pelas seguintes orientações: Tire fotografias, Responda estas questões (Número do objeto, Local no prédio, Outras Numerações, Classificação, Tipo do objeto, Materiais e técnicas, Medidas, Inscrições e marcas, Características particulares, Título, Assunto ou tema, Data ou período, Autor ou fabricante, Observações), Escreva uma breve descrição, Proteja as informações.
V. A lista de controle da norma Object ID é composta pelas seguintes orientações: Tire fotografias, Responda estas questões (Tipo do objeto, Materiais e técnicas, Medidas, Inscrições e marcas, Características particulares, Título, Assunto ou tema, Data ou período, Autor ou fabricante), Escreva uma breve descrição, Proteja as informações. VI. O Object ID é reconhecido pelo ICOM e pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) como norma de controle que comprova a propriedade dos bens culturais materiais pelos museus brasileiros, de acordo com o disposto na Lei 11904/2009, o Estatuto dos Museus.

Está CORRETO, apenas, o que se afirma em




Questão 9

Considerando a definição de museu estabelecida no artigo 1º da Lei 11.904/2009 (o Estatuto dos Museus), o IBRAM definiu, através da Resolução Normativa nº 1, de 14 de dezembro de 2016, “os procedimentos e critérios específicos relativos ao Registro de Museus junto ao IBRAM e demais órgãos públicos competentes”.
De acordo com essa Resolução, os museus a serem registrados deverão

I. estar a serviço da sociedade e seu desenvolvimento.
II. ser instituição de caráter permanente.
III. preservar bens naturais e culturais, de natureza material ou imaterial.
IV. estimular a produção do conhecimento, seja de maneira formal ou não formal.
V. trabalhar de forma regular com bens culturais musealizados.
VI. possuir exposição ou comunicar seus bens culturais musealizados.
VII. ser instituição aberta ao público.
VIII. não comercializar bens culturais musealizados.
IX. não se caracterizar como processo museológico.
X. não se caracterizar como unidade de conservação da natureza.
XI. não se caracterizar como museu virtual.

Estão CORRETAS as afirmações




Questão 10

No Brasil, a profissão de museólogo foi criada pela Lei 7.287, de 18 de dezembro de 1984 e regulamentada pelo Decreto 91.775, de 15 de outubro de 1985.
De acordo com o disposto nessa legislação, o exercício da profissão de museólogo é privativo:

I. dos diplomados em Bacharelado ou Licenciatura Plena em Museologia e dos diplomados em Mestrado e Doutorado em Museologia, desde que realizados em cursos ou escolas devidamente reconhecidos pelo Ministério da Educação e Cultura.
II. dos diplomados em Bacharelado em Museologia e dos diplomados em Mestrado e Doutorado em Museologia, desde que realizados em cursos ou escolas devidamente reconhecidos pelo Ministério da Educação e Cultura.
III. dos diplomados em Bacharelado em Museologia e dos diplomados em Mestrado e Doutorado em Museologia por escolas estrangeiras, desde que reconhecidas pelas leis do país de origem.
IV. dos diplomados em Museologia por escolas estrangeiras reconhecidas pelas leis do país de origem, cujos títulos tenham sido revalidados no Brasil, na forma da legislação.
V. dos diplomados em outros cursos de nível superior que, na data de vigência da Lei 7.287, de 18 de dezembro de 1984, contassem com, pelo menos, 5 (cinco) anos de exercício de atividades técnicas de Museologia, devidamente comprovados. Essa comprovação deve ter sido feita no prazo de 3 (três) anos a contar da vigência da Lei 7.287, de 18 de dezembro de 1984, perante os Conselhos Regionais de Museologia, aos quais competiu decidir sobre a sua validade.
VI. dos diplomados em outros cursos de nível superior que, a partir da data de vigência da Lei 7.287, de 18 de dezembro de 1984, contêm, pelo menos, 5 (cinco) anos de exercício de atividades técnicas de Museologia, devidamente comprovados. Essa comprovação deverá ser feita perante os Conselhos Regionais de Museologia, aos quais compete decidir sobre a sua validade.

Estão CORRETOS os itens




Tempo de simulado:

Comentar Simulado